foto_ednardo

Ednardo – Muito além do pavão

Quando se fala em Ednardo, quem conhece algum trabalho dele já pensa logo na canção “Pavão Misterioso”, que é sem sombra de dúvidas sua música mais famosa, tendo sido interpretada por diversos artistas. Além disso essa música foi parte da trilha sonora da primeira versão da novela Saramandaia, exibida pela Rede Globo em 1976, o que contribuiu no sucesso da canção.

Entretanto, há outros trabalhos do cantor que valem a pena serem explorados, e aqui farei uma breve resenha de seu disco intitulado “O Azul e o Encarnado”. Já vou lhe dando a dica de que nesse disco não tem a música “Pavão Misterioso”, pois minha intenção é mostrar que a carreira de Ednardo não se resume em uma única música. O disco foi lançado em 1977 e possui treze faixas, apresentando um trabalho bastante diversificado, mas predominando o MPB com toques nordestinos, semelhante a Fagner e Alceu Valença (o próprio Ednardo também é nordestino, cearense para ser mais exato!).

Achou a capa tosca? não julgue o disco pela capa!

O disco abre com a canção “Está Escrito”, um baião curtinho, mas que já dá uma ideia do que está por vir. Em seguinte temos “Pastora do Tempo”, que tem participação especial de Fagner. É uma bela música, muito bem interpretada. “Cantiga do bico da cerca” já tem um toque mais tradicional da música nordestina, principalmente em sua letra. Logo após somos brindados com “Somos uns compositores brasileiros”, com uma letra divertidíssima que faz uma crítica ao estrangeirismo na própria música brasileira.

A canção seguinte, “Boi Mandingueiro”, vem para resgatar a brasilidade do disco. Um baião que dá gosto de ouvir, novamente com um vocabulário tipicamente brazuca e temperado com uma viola caipira que dá um toque a mais para a canção. “Chêros e Choros” é uma canção com um clima mais melancólico, basicamente uma música feita à base de voz e violão, retratando um amor perdido. Mas a tristeza dura pouco e logo em seguida temos a canção “Receita da Felicidade”, cujo título nos dá de bandeja do que se trata. Nessa música, Ednardo esbanja alegria em sua interpretação. Perceba, caro leitor, que essa contraposição de uma música melancólica seguida por outra cheia de alegria demonstra a versatilidade do cantor. Pois bem, retomando a resenha, a próxima música se chama “Como é difícil não ter 18 anos”. Sobre o que você acha que Ednardo canta nessa canção? se você respondeu sobre as dificuldades e inseguranças da juventude, você acertou. E mais uma vez tenho que ressaltar a interpretação de Ednardo, que canta de modo despojado. “Armadura” é mais uma bela canção que possui um belo toque de violão. E aqui temos mais uma canção que exalta os traços de brasilidade em versos como “Mistura os frutinhos da mata/Com o canto da juriti/E me dá um abraço acochado, morena”. Além disso tudo, ela possui um belíssimo refrão, tanto na parte lírica quanto na parte instrumental (ficou curioso? então vá correndo escutar essa música!). Prosseguindo temos a marchinha com o título “Maresia”. Logo em seguida vem “Fênix”, outra belíssima canção e de longe uma das melhores do disco. Só a sua introdução já vale mais que muita coisa que se ouve por aí. Nessa música, Ednardo nos convida a renascer como uma fênix, seja por meio da marchinha, do xaxado, do samba e do frevo – ficou curioso, caro leitor? faça um favor a você mesmo e vá correndo escutar essa música, você não vai se arrepender. Já finalizando, temos a dobradinha “Fio da meada” e Ideias” que dispensam comentários, canções bem escritas e bem interpretadas, com o tradicional estilo nordestino.

Creio que ao longo desta resenha deu para perceber que uma temática constante nesse disco é a busca pela brasilidade na música, seja pelo seu arranjo ou por suas letras. Para boa parte do público, Ednardo é um nome menos familiar que Alceu Valença, Zé Ramalho e Belchior, por exemplo, mas o talento e as qualidades desse cantor são inegáveis e não menos brilhantes que a de seus semelhantes. Com essa resenha foi possível mostrar que Ednardo, definitivamente, não é cantor de uma música só. E mais uma vez espero, caro leitor, ter despertado em você a curiosidade de conhecer mais a fundo outros trabalhos desse nosso compatriota.

A companhia de Ednardo fica muito melhor com quatro cafezinhos!

sem-titulo

Lista de músicas:

1 – Está escrito

2 – Pastora do tempo

3 – Cantiga do bicho da cêrca (Cantiga de ninar)

4 – Somos uns compositores brasileiros

5 – Boi mandingueiro

6 – Chêros e choros

7 – Receita da felicidade

8 – Como é difícil não ter 18 anos

9 – Armadura

10 – Maresia

11 – Fênix

12 – Fio da meada

13 – Ideias

Diogo Muniz

Amante do Rock e Heavy Metal, intensamente moderado ou moderadamente intenso, guitarrista nas horas vagas e torcedor do E.C.Mamoré.