Magic-Mike-XXL-Movie1

Magic Mike 2

Sexy, sem ser vulgar.

 

Não é difícil falar sobre sexo na vida cotidiana, porém, por mais incrível e contraditório que pareça, não é usual falar abertamente sobre sexualidade. Sim, isso mesmo, pois ao se considerar a sexualidade como algo ampliado e que não se restringe somente ao ato sexual, abre-se uma gama de possibilidades e um leque de temas a serem explorados.

No cinema, isso pode adquirir diversas formas e conotações, já que a Arte permite expressar esse campo da vida humana a partir das mais variadas maneiras. Isso fica claro a assistir filmes clássicos, em que a beleza e a sensualidade ficam bem marcadas, mas isso seria possível com uma obra ao melhor estilo “comercial e hollywoodiana”? Bem, “Magic Mike 2” (Magic Mike XXL, 2015), dirigido por Gregory Jacobs (Wind Chill, 2007), tentou caminhar em direção a isso.

MAGIC MIKE XXL

Como sequência de Magic Mike (2012, de Soderbergh), e com roteiro de Reid Carolin, a trama de Magic Mike XXL traz novamente os colegas strippers como Mike (Channing Tatum), Richie (Joe Manganiello) e Ken (Matt Bomer), que se reúnem (após um bom tempo) para colocar o pé na estrada. O destino é Myrtle Beach, em Miami, onde o grupo pretende fazer sua última grande turnê de despedida.

5592a642081d542b20bd57bc_magic-mike-xxl-reviewO estilo “road trip” empregado em grande parte do longa-metragem fornece algumas interessantes e espirituosas cenas. Metaforicamente, estar com o “pé na estrada” é um momento de transição, de crescimento (pessoal e, às vezes, espiritual), uma espécie de jornada da alma [leia aqui como psique], ou, simplesmente, uma mudança ou libertação de padrões e hábitos. De certa forma, o grupo de strippers de XXL passa por este tipo de transição: homens diferentes, com perspectivas e sonhos distintos, colocando suas diversas decepções na bagagem e partindo para uma viagem que tem como ponto de culminância o seu “último show”. Aqui, a sessão terapêutica não fica apenas no chiste, pois é possível ver claramente a catarse dos personagens no decorrer de sua jornada até o tão consagrado desfecho.

Um dos pontos favoráveis de XXL é o fato de não focar exclusivamente em Mike (Tatum), delineando mais profundamente os outros personagens do longa-metragem. Vê-se um grupo, e não mais a estrela de um drama pessoal, como ocorreu em seu antecessor (Magic Mike, 2012). Em contrapartida, a fragilidade do roteiro de Colin traz novamente uma história que se desenrola às pressas, sem tempo para uma pausa ou para tomar um ar.

10.21_ 2765.NEF

Mais do que um simples entretenimento feminino, XXL também coloca em cena a mulher não como um mero objeto, mas como um ser desejante. Nos shows dos strippers (ou homens do entretenimento) elas gritam, choram, são exaltadas e, principalmente, são escutadas. Aí abra-se o espaço para existem como sujeitas, como indivíduas, como pessoas que podem ter, mesmo que por alguns instantes, a satisfação parcial de seus desejos. E aí não existe padrão de beleza: todas são rainhas e devem ser tratadas como tal.

Em geral, XXL está muito longe de ser uma obra magnífica, mas é bastante agradável aos olhos. Afinal de contas, como não adorar aquele tsunami de testosterona e ausência de roupas? (ui!).

Nota CcW: 06/10.

Trailer Oficial:

rs_634x941-150203121933-634-magic-mike-xxl-posterFicha Técnica – Magic Mike 2:

Título Original: Magic Mike XXL. Direção: Gregory Jacobs. Roteiro: Reid Carolin. Produção: Channing Tatum, Gregory Jacobs, Nick Wechsler, Reid Carolin. Fotografia: Steven Soderbergh. Montagem: Steven Soderbergh. Elenco: Adam Rodriguez, Amber Heard, Andie MacDowell, Brandon Cyrus, Channing Tatum, Donald Glover, Elizabeth Banks, Gabriel Iglesias, Haviland Stillwell, Jada Pinkett Smith, Jane McNeill, Joe Manganiello, Kevin Nash, Matt Bomer, Michael Strahan, Rhoda Griffis, Stephen Boss. Gênero: Comédia Dramática. País: Estados Unidos. Duração: 115 min. Ano: 2015. Distribuidora: Warner Bros. Estúdio: Iron Horse Entertainment. Classificação: 16 anos.